Notícias

Polícia Civil resgata idosos em situação de abandono e maus tratos em todo o Estado

Texto de Jaime Feitosa

No Brasil existem mais de 21 milhões de idosos, conforme estatísticas do Ministério da Saúde. O número dobrou nos últimos 20 anos, e há previsão de que chegará a 32 milhões em 2025, quando então o Brasil será o sexto país com maior população idosa do mundo.

 

Com isso, aumentaram também os casos de abandono, crime que pode render até 16 anos de prisão para quem o pratica. Além dele, também estão previstos em lei os crimes de maus tratos, apropriação de bem de idoso, negligência/omissão na assistência ao idoso, discriminação de pessoa idosa, ameaça, injúria, lesão corporal, perturbação da tranquilidade e estelionato.

 

O aumento de casos é uma realidade presente também em Alagoas. Em Maceió, desde o ano passado, por iniciativa do delegado-geral Paulo Cerqueira, as investigações desses crimes estão sob a responsabilidade de quatro distritos policiais: 6° DP (Cruz das Almas), 8° DP (Benedito Bentes), 5° DP (Salvador Lyra) e 4° DP (Farol). Antes, todos os atendimentos eram feitos apenas em um núcleo existente no Complexo de Delegacias Especializadas (Code), no bairro de Mangabeiras.

 

A descentralização, segundo o delegado-geral, teve o objetivo de facilitar o acesso dos idosos aos serviços da Polícia Civil e agilizar a apuração dos fatos, pois agora são quatro delegados empenhados em elucidá-los.

 

A Delegacia do 6° Distrito Policial chega a registrar, em média, dois crimes contra idosos por dia. O delegado Robervaldo Davino revela que a maioria é de casos de abandono. “Aqui, chegam também denúncias de estelionato (golpe do empréstimo), ameaças e lesão corporal. Algumas vezes instauramos inquérito, lavramos TCOs [Termos Circunstanciados de Ocorrência], mas o que tem dado mais certo são parcerias que estabelecemos com alguns outros organismos para solucionar as questões”, conta Davino.

 

Com a defensoria pública, por exemplo, essa parceria consegue barrar o chamado “golpe do empréstimo”, que ocorre quando alguém toma dinheiro emprestado em instituição financeira usando indevidamente o nome do idoso. Constatada a irregularidade, os descontos na pensão ou aposentadoria deixam de ser efetuados.

 

Resgates

 

O trabalho de maior alcance e que vem dando muito certo, no entanto, é quando se trata de situação de abandono. Nesse caso, a maior parceria ocorre com Secretaria Municipal de Assistência Social, por meio dos Centros de Referência Especializados de Assistência Social (Creas), que colaboram no resgate dos idosos abandonados.

 

“O que fazemos é humanizar o atendimento a essas pessoas. Nem sempre prendemos os acusados, pois precisamos pensar no idoso. Às vezes, levar o acusado para um presídio pode significar mais abandono para a pessoa idosa. A parceria com os centros nos ajuda a dar assistência completa às vítimas desse crime”, afirma o delegado Davino.

 

A advogada Rafaela Ambrósio, do centro de referência do Poço, diz que a Polícia Civil tem sido uma grande parceira nesse trabalho. “Nossa equipe é composta também por uma psicóloga e uma assistente social. Realizamos visitas aos idosos, acompanhamos cada caso e o apoio da polícia é fundamental para que possamos fazer a remoção dessa vítima para outro local, quando é necessário”, salienta.

 

O último resgate feito pelas equipes da delegacia e do centro de referência ocorreu na terça-feira (15), no bairro do Jacintinho. Maria José Santos, 73 anos, estava vivendo com duas filhas (uma delas adotiva) em condições precárias, sem alimentação e remédios adequados, apesar de receber cerca de um salário mínimo e meio. Na pequena casa onde morava, foi encontrada sobre um sofá, sem a devida higienização.

A denúncia do abandono foi feita por outra filha. Como teve um acidente vascular cerebral (AVC) recentemente e sentia dores na cabeça, uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel (Samu) foi chamada e a idosa foi levada para o Hospital Geral do Estado (HGE).

 

“Felizmente, nesse caso, tivemos um final de sucesso. As três irmãs chegaram a um acordo e dona Maria José será levada para a casa da denunciante. As outras irmãs também vão morar na mesma casa”, explicaa o delegado Robervaldo Davino.

 

Mas nem sempre se chega a uma solução como essa. Dona Hélia Barros, pensionista da Marinha, e Valdeci Maria da Conceição, hoje estão vivendo na Casa Lar Deus é Amor, abrigo situado no bairro do Prado, depois de serem resgatadas de suas antigas casas. A primeira morava no conjunto José Tenório, na Serraria, e a segunda, no Mirante da Sereia. Ambas viviam em situação de abandono, apesar de terem parentes e receberem pensões que garantiriam uma sobrevivência digna.

A enfermeira aposentada Giselda, de 90 anos, ainda tem destino incerto. Ela mora sozinha no bairro do Poço, não tem filho ou marido e os parentes mais próximos residem no Recife (PE). É um taxista de nome José quem tira instantes de seu dia para visitá-la, levar comida ou comprar remédios. Mas durante a maior parte do dia ela fica sozinha, trancada na própria casa. A equipe do 6° DP esteve no local, conversou com a idosa e o taxista, e o delegado ainda vai aguardar uma posição do Creas para definir o que fazer.

 

Abuso financeiro

 

No 4° Distrito da Capital, segundo o delegado Antônio Edson, a parceria com os centros de referência também funciona com sucesso nos casos de pessoas idosas abandonadas. Mas a maioria das ocorrências registradas é de abuso financeiro praticado pelos familiares. Reter cartão magnético, vender bens ou conseguir procuração do idoso de forma fraudulenta são os casos mais comuns.

 

Em média, ocorre o registro de quatro casos de crimes contra pessoas idosas todas as semanas naquela delegacia distrital. “Nem sempre a gente abre inquérito ou prende os acusados. Procuramos dar a melhor solução que beneficie o idoso, e estamos conseguindo ajudar nesse sentido”, acrescenta Antônio Edson.

 

No interior do Estado, as investigações sobre abandono e outros crimes contra os idosos são apurados por cada delegacia distrital.

 

O Estatuto do Idoso, criado pela Lei nº 10.741/03, em seu artigo 1º, considera idosa a pessoa com idade igual ou superior a 60 anos. A definição de idoso leva em conta as dificuldades de acesso próprias das pessoas que se preparam para o envelhecimento, tais como desgaste físico, psíquico e senilidade.

Artigos relacionados
Notícias

Cartilha dá dicas para turistas em viagens de carro

Os ministérios da Justiça e do Turismo lançaram uma cartilha que pretende ajudar os turistas, enquanto consumidores, que fazem uso…
Notícias

Seminário discute Corredor Bioceânico para integração da América do Sul

Um encontro iniciado, ontem, em Campo Grande (MS), com representantes do Paraguai, Argentina, Chile e Brasil discutirá a “Integração dos…
Notícias

Recife: Secretaria de Turismo inova com exibição de miniwebsérie e inclusão

Uma forma divertida de encantar os moradores do Recife e atrair a atenção dos turistas foi o mote que impulsionou…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Enter Captcha Here :