Notícias

“Falta diálogo com a sociedade”, diz Renan Filho sobre decreto das armas

Texto de Petrônio Viana

O Governo Federal anunciou nesta quarta-feira (22) a revisão de pontos polêmicos do decreto do presidente Jair Bolsonaro facilitando a compra de armamentos no Brasil, criticado pelo governador Renan Filho nesta semana. O decreto, assinado no dia 7 de maio, permitia inclusive a aquisição de fuzis por qualquer cidadão, medida amplamente criticada pelo governador alagoano, com repercussão na mídia local e nacional.

Renan Filho foi um dos 14 governadores brasileiros que assinaram uma carta aberta contra as alterações feitas no Estatuto do Desarmamento, divulgada na terça-feira (21), via decreto presidencial, apontando os riscos de aumento da criminalidade a partir da venda indiscriminada de armas no país. Para o governador alagoano, falta diálogo com os principais setores da sociedade sobre as mudanças que geram grande impacto.

“Está faltando diálogo com a sociedade, com o Congresso Nacional, com o Judiciário, diálogo com aqueles que têm um projeto para o país, diálogo com o setor produtivo. A política é importante, mas antes da política vem o diálogo. Não há política sem diálogo. Muitas vezes, o Governo Federal erra porque tem certeza de que está no caminho correto e, arrogantemente, abre mão de ouvir os outros. Eu acho que até pode ser discutida a questão das armas mas, do jeito que o decreto foi feito, ele é muito danoso para a sociedade. Ele deveria ser melhor discutido. Menos do que cumprir somente uma promessa de campanha, saber se aquele é o melhor caminho para o país”, avaliou.

O governador criticou ainda a forma como a ampliação do acesso às armas foi imposta por Bolsonaro. “O presidente da República não pode fazer as coisas sozinho. A gente vive em um sistema democrático. Ele tem que apresentar as propostas para discussão da sociedade por meio do Congresso Nacional. Ouvindo a todos, a gente identifica o melhor caminho. Por isso eu me posicionei contrário [ao decreto]”, explicou Renan Filho.

Em entrevistas, Renan Filho foi contundente sobre a ampliação do acesso às armas prevista no primeiro decreto. “Não é só a liberação. É pior. É a liberação indiscriminada. Por meio do decreto do presidente da República, até um fuzil o cidadão vai poder comprar. Ora, para que o cidadão vai querer um fuzil? Para defender a própria vida, a própria propriedade? Certamente não. Isso vai facilitar que esse fuzil chegue na mão de bandidos”, alertou.

Na revisão do decreto das armas anunciada nesta quarta-feira, o Governo Federal vedou a compra de fuzis por qualquer cidadão, mas manteve o acesso a esse tipo de armamento “portátil” para proprietários” de imóveis rurais” ou quem “se dedica à exploração agrícola, pecuária, extrativa vegetal, florestal ou agroindustrial”. Também foi mantida a facilitação do porte para uma série de profissionais, como advogados, caminhoneiros e políticos eleitos.

Artigos relacionados
Notícias

Cartilha dá dicas para turistas em viagens de carro

Os ministérios da Justiça e do Turismo lançaram uma cartilha que pretende ajudar os turistas, enquanto consumidores, que fazem uso…
Notícias

Seminário discute Corredor Bioceânico para integração da América do Sul

Um encontro iniciado, ontem, em Campo Grande (MS), com representantes do Paraguai, Argentina, Chile e Brasil discutirá a “Integração dos…
Notícias

Recife: Secretaria de Turismo inova com exibição de miniwebsérie e inclusão

Uma forma divertida de encantar os moradores do Recife e atrair a atenção dos turistas foi o mote que impulsionou…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Enter Captcha Here :