CapitalNotícias

Prefeitura de Maceió e Braskem firmam novo Termo de Cooperação

A Prefeitura de Maceió e a Braskem firmaram nesta segunda-feira (16) novo Termo de Cooperação Técnica visando o acompanhamento adequado do problema de instabilidade de solo que afeta os bairros do Pinheiro, Mutange, Bebedouro e Bom Parto. O Plano de Trabalho prevê a instalação de rede de sismógrafos e novos DGPS para monitoramento da área.

Este plano de trabalho foi proposto após consultoria das Universidades Federais de Pernambuco e Rio Grande do Norte, e do Serviço Geológico do Brasil (CPRM). Os equipamentos devem gerar dados com mais precisão para o Centro Integrado de Monitoramento e Alerta de Defesa Civil (Cimadec) da Defesa Civil de Maceió.

Ações do Plano de Trabalho

  • Execução de estudos e avaliação voltados à comunidade;
  • Execução de estudos de sísmica;
  • Estruturação da sede da Defesa Civil com doação de equipamentos;
  • Consultoria de monitoramento e subsídios às ações da Defesa Civil da UFPE;
  • Instalação de rede de sismógrafos proposta pela UFRN;
  • Estrutura de comunicação com poços de monitoramento;
  • Doação de 7 DGPS e acesso do sistema da Defesa Civil aos dados dos DGPS da Braskem;

Prefeito Rui Palmeira assinou termo em reunião com representantes da Braskem . Foto: Átila Vieira/Secom Maceió

Para o coordenador especial de Proteção e Defesa Civil, Dinário Lemos, o Termo de Cooperação Técnica 2 foi planejado tomando como base os estudos da CPRM. “Após o relatório da CPRM, que aponta as causas da instabilidade de solo que afeta os bairros e a evolução do problema, propusemos um plano de trabalho com o suporte de pesquisadores das universidades, visando um monitoramento mais eficaz e, consequentemente, a salvaguarda da população”, destacou.

O prefeito Rui Palmeira destacou que a gestão municipal tem se dedicado ao atendimento da população, adotando medidas para preservar a segurança das pessoas, resguardar a vida e minimizar os danos que afetam a comunidade dessa região.

“Mobilizamos o governo federal em busca da identificação das causas do problema, decretamos situação de emergência e posteriormente, estado de calamidade pública, o que permitiu a obtenção de recursos para o pagamento da ajuda humanitária. Também garantimos a isenção de todos os tributos municipais para moradores e comerciantes dos bairros afetados pelos próximos cinco anos, entre outras ações. Atualmente, a Prefeitura trabalha no ajuste dos dados cadastrais dos moradores da encosta do Mutange para a realocação dessas famílias para imóveis do Minha Casa Minha Vida”, afirmou Rui Palmeira.

Flávia Duarte/ Ascom Defesa Civil

Artigos relacionados
Notícias

Agendamento online para passaportes está indisponível temporariamente

A Polícia Federal (PF) informou, ontem, 18, em Brasília, que está temporariamente indisponível o serviço de agendamento de emissão de…
Notícias

EasyJet para com os voos com destino a Israel até outubro

A easyJet suspendeu os voos para Telavive (Israel) durante os próximos seis meses na sequência do recente ataque com mísseis…
Notícias

Hoteleiros questionam aumento da taxa turística em Lisboa

Em nota de imprensa, a AHP afirma que reuniu a 4 de abril com o presidente da Câmara Municipal de…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Enter Captcha Here :