Notícias

Procuradoria Geral do Estado pede investigação sobre veiculação de Fake News

A Procuradoria Geral do Estado enviou ofício ao Delegado-Geral de Polícia Civil, Paulo Cerqueira, cobrando apuração policial em relação a veiculação de Fake News contra o Governo de Alagoas e o Governador Renan Filho. A PGE sustenta que as notícias falsas veiculadas nas redes sociais têm o objetivo de prejudicar o trabalho de assistência à saúde prestado em meio a pandemia da COVID-19 e por isso solicita a designação de delegados especiais para o caso. Os envolvidos em produzir e espalhar tais mentiras podem responder por crimes contra a honra e crimes contra a administração da justiça, como está previsto no Código Penal. Outras duas ações na esfera cível e criminal já foram propostas pela Procuradoria neste sentido.

Uma dessas notícias falsas aponta que o Governador estaria impedindo que as distribuidoras de remédios exercessem seu trabalho de abastecimento das unidades de saúde. Essa informação não é verdadeira, afinal, com os decretos editados pelo Governo de Alagoas o que se buscou foi proteger a sociedade e minimizar os danos causados pelo crescimento da pandemia de coronavírus. Foi necessário até que a Secretaria Estadual de Comunicação tivesse que preparar uma equipe de profissionais exclusivamente para trabalhar desmascarando as fake news.

Para o Procurador-Geral do Estado, as notícias falsas prejudicam os trabalhos de prevenção e atendimento às vítimas da COVID-19. Malaquias lembrou que essas informações falsas buscam desacreditar o Governo do Estado em um momento extremamente delicado, onde salvar vidas é a maior preocupação do ente público. “Quem está espalhando notícias falsas busca enfraquecer o Governo e levar uma sensação de insegurança à população. Isso é criminoso. Nosso objetivo primordial é o de proteger as pessoas e por isso não vamos aceitar que as ‘fake news’ sejam espalhadas com ataques mentirosos”, explicou o Procurador-Geral do Estado, Francisco Malaquias.

Além disso, vale salientar que, entre outras ações, no início da crise, chegou a ser feita a requisição administrativa de equipamentos, insumos e medicamentos para o controle e tratamento dos infectados pelo vírus. Essa iniciativa, prevista em lei, permitiu equipar os órgãos de saúde para o enfrentamento. Sem deixar de registrar os convênios firmados com a rede particular de saúde que possibilitou a ampliação de leitos e o protocolo de tratamento orientado pelo Ministério da Saúde.

Segundo o Procurador Ivan Luiz, Coordenador da Procuradoria Judicial, e que também assinou o ofício enviado ao Delegado-Geral, um trabalho minucioso vem sendo feito desde o início da crise para combater ataques que buscam desestabilizar as ações do Poder Público. Ele observou que diariamente chegam ao conhecimento da PGE vídeos e notícias de sites com informações falsas que buscam criar um clima de pânico e medo entre a população ou que muitas vezes deturpam as informações científicas adotadas pelas autoridades sanitárias. “Difamar, caluniar e injuriar são crimes previstos em lei. Além disso, induzir ao erro também é algo muito perigoso e que deve ser combatido, daí a necessidade dessa investigação policial”, acrescentou.

Artigos relacionados
Notícias

ANAC aprova o fim do uso de categorias de registro de aeronaves

A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) publicou a Resolução nº 739/2024, de 21 de março, que extingue o conceito…
Notícias

MTur está com vagas abertas para curso de Condutor Náutico

Ministério do Turismo está com vagas abertas para o curso de Condutor de Turismo Náutico, realizado em parceria com a…
Notícias

Catedral de Notre Dame define data de reabertura

Uma Catedral de Notre Dame restaurada, severamente danificada no incêndio de abril de 2019, reabrirá diariamente para visitantes individuais, das…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Enter Captcha Here :