DESTINOS

Receita da atividade turística em Portugal continua em queda

Os prejuízos na atividade turística em Portugal pioram em 56,5% no mês de junho, nomeadamente pela atenuação da redução de gastos por parte de residentes na Zona Euro.

A informação do Banco de Portugal divulgada na quarta-feira indica que a quebra de gastos por turistas de países de moeda euro foi em Junho de 45,6% face ao mês homólogo de 2019, que compara com decréscimo de 61,6% do total de gastos de residentes em países da União Europeia.

O desempenho por parte do conjunto de turistas residentes em países de moeda euro foi fortemente marcado pelas quebras moderadas de gastos de residentes em Espanha (-25,2%), França (-36,6%), Bélgica (-26,3%) e, especialmente, Luxemburgo, que até tiveram um aumento em 14%.

Já os gastos de residentes no Reino Unido caíram 61,3%, o que não impediu que voltassem a cotar-se em Junho como a primeira fonte de receitas turísticas portuguesas, com 126,56 milhões de euros, à frente de Espanha, com 102,72 milhões, França, com 101,36 milhões, Alemanha, com 82,98 milhões, e Países Baixos, com 30,81 milhões.

Os dados de Junho confirmaram a quebra de relevância dos mercados emissores de fora da Europa, cujos residentes despenderam em Portugal -75,1% que no mês homólogo de 2019, pré-pandemia.

A informação indica que os turistas residentes nos continentes americano, africano e asiático despenderam em Portugal apenas 86,52 milhões de euros, representando 12,6% do total de receitas turísticas portuguesas, quando em Junho de 2019 chegavam a 22,1%, o que por sua vez também evidencia o impacto da travagem da TAP, nomeadamente nas ligações intercontinentais.

Os Estados Unidos como o primeiro emissor de fora da Europa em receitas turísticas, com 28,09 milhões, tendo sido assim apenas o 7º maior emissor, a seguir à Suíça (28,73 milhões).

Angola e Brasil, que já estiveram entre os cinco maiores contribuintes para as receitas turísticas portuguesas, em junho deste ano foram apenas, respectivamente, 11º, com 12,61 milhões, e 13º, com 11,38 milhões, isto devido ao governo que insistem em manter os brasileiros entre na lista de restrições, levando a economia do turismo a falência.

O Reino Unido, primeiro emissor em Junho, representou neste mês 18,4% do total de receitas turísticas portuguesas, à frente de Espanha, com 15%, França, com 14,8%, Alemanha, com 12,1%, e Países Baixos, com 4,1%.

Em Junho de 2019, pré-pandemia, o Reino Unido também tinha sido o primeiro emissor ao gerar 20,7% do total de receitas turísticas portuguesas nesse mês, à frente da Alemanha, com 11,5%, França, com 10,1%, Espanha, com 8,7%, e Estados Unidos, com 8,1%. 

Artigos relacionados
DESTINOS

MGM Grand em Las Vegas está recebendo 'Friends'

Fãs do clássico da televisão “Friends” podem ir até Las Vegas para uma experiência interativa no 30º aniversário de sua…
DESTINOS

SP dá início à revitalização do Centro Histórico de Santos

A Secretaria de Turismo e Viagens do Estado de SP (Setur-SP) inaugurou dois trechos da revitalização da rua Tuyuti, na…
DESTINOS

Maceió e Porto de Galinhas, destinos preferidos para férias no Nordeste, segundo Operadoras de Viagens - BRAZTOA

O inverno chegou, mas os brasileiros seguem buscando sol e calor para aproveitar as férias de julho. E dos destinos…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Enter Captcha Here :