OPINIÃO

Setor do turismo analisa cenário de guerra na Europa

Paris, France - July 6, 2013: Illuminated Louvre museum during sunset in Paris. The Pyramid is the main entrance to the Louvre Museum.

A invasão da Ucrânia pela Rússia agitou os mercados internacionais e acrescentou incerteza às perspectivas de viagens da Europa, assim como a UE começou a relaxar os protocolos Covid com grandes esperanças de um retorno à normalidade neste verão. 

Embora os fornecedores tenham dito que o conflito até agora não causou nenhum impacto significativo nas reservas, eles estão preparados para alterar seus itinerários na Europa Oriental e na Rússia. 

O CFO da Norwegian Cruise Line Holdings, Mark Kempa, disse durante a teleconferência de resultados da empresa em 24 de fevereiro que, embora a NCLH até agora não tenha visto nenhum cancelamento, a linha estava se preparando para vários resultados. 

“Estamos procurando portos alternativos enquanto falamos”, disse ele. “Na pior das hipóteses, se não pudermos fazer escala em São Petersburgo ou nas áreas vizinhas, há muitos outros portos naquela região escandinava que podemos escalar. Não é um grande impacto, obviamente um pouco decepcionante porque esse é um porto de primeira. Mas existem portos viáveis ​​e muito atraentes disponíveis.”

A Atlas Ocean Voyages disse na quinta-feira que substituiu dois portos da Finlândia – Kotka e Mariehamn – por São Petersburgo em cruzeiros no Báltico com partida em 26 de agosto e 7 de setembro. Para a viagem de 7 de setembro, a Atlas também adicionou uma escala em Saaremaa, Estônia.  

Kempa previu que a crise na Ucrânia causaria “um pouco de desaceleração” nas reservas, mas que era muito cedo para saber sobre o impacto a longo prazo.

“A Europa é um grande continente”, disse ele. “Isso está afetando uma porção muito pequena da Europa, e há muitas outras áreas onde podemos operar, especialmente o Mediterrâneo, onde temos capacidade significativa.”Os clientes estão muito preocupados com possíveis interrupções causadas pelos refugiados. É uma situação triste.– Karen Magee, nas experiências do saber

Enquanto isso, os consultores de viagens estão respondendo às preocupações e perguntas dos clientes, enquanto os executivos das agências dizem que estão monitorando a situação. 

Karen Magee, vice-presidente sênior da In The Know Experiences, parte da divisão Global Travel Collection, disse que os clientes estão preocupados e sua agência não está aceitando novas reservas na região.

“Não temos nenhum negócio especificamente para a Ucrânia, mas definitivamente para as áreas vizinhas. Os clientes estão muito preocupados com possíveis interrupções de refugiados. É uma situação triste”, disse ela. “Nossa orientação no momento é monitorar a situação de perto, pois não sabemos realmente para que direção isso vai. Atualmente, eu diria que a maioria dos consultores está pausando novas reservas, mas não cancelando as existentes até termos uma ideia mais concreta de como isso vai ser. Todo mundo está no modo de esperar para ver.”

Tom Baker, do Cruise Center, que reserva itinerários na Europa Oriental, começou a ver cancelamentos nas semanas anteriores à invasão. Esta semana, disse ele, “os cruzeiros fluviais na Europa Oriental e na Rússia estão começando a ser cancelados”.

Outras linhas oceânicas e fluviais que operam na Europa disseram estar monitorando cuidadosamente a situação. Até agora, eles não fizeram nenhuma alteração nos itinerários ou viram grandes cancelamentos.

A Scenic, que geralmente oferece cruzeiros fluviais na Rússia no Volga entre São Petersburgo e Moscou, não remarcou esses cruzeiros para a próxima temporada e disse na quinta-feira que a linha “está planejando abrir nossa temporada de cruzeiros fluviais na Europa conforme planejado, mas está monitorando a situação de perto”, disse Elliot Gillies, porta-voz da marca.

A operadora de turismo de ponta Tauck disse que viu “cancelamentos dispersos” e transferiu reservas nas últimas duas semanas.

“Nossos convidados estão esperando para ver”, disse Tom Armstrong, representante da Tauck. 

Tom Jenkins, CEO da Associação Europeia de Turismo (ETOA), disse no início desta semana que o conflito não “permeou em ansiedade sobre a Europa Central e Ocidental”.

Para os membros da ETOA, a demanda por cidades da Europa Ocidental como Londres, Paris, Amsterdã e Veneza supera a demanda pela Europa Oriental. “A Europa Oriental representa cerca de 5% da demanda total”, disse ele.
___

Correção: A associação comercial da Europa para operadores turísticos é a Associação Europeia de Turismo. Uma versão anterior deste relatório chamava a organização pelo seu antigo nome, European Tour Operators Association.

Artigos relacionados
OPINIÃO

Entre a apatia e a decadência. Sugestões para algumas mudanças estruturais em Portugal

Menos Estado, melhor Estado, reorganização da administração pública, gestão mais eficaz de financiamentos, habitação social, rede de ensino no interior,…
OPINIÃO

IA pode se tornar uma ameaça a profissão de recepcionista de hotel

Embora a inteligência artificial (IA) esteja avançando rapidamente, “é pouco provável que ela possa substituir completamente a profissão de recepcionista…
OPINIÃO

POR UM TURISMO SUSTENTÁVEL PARA COSTA DOS CORAIS

Por Caio Uchôa O desenvolvimento sustentável do turismo na região da Costa dos Corais em Alagoas envolve práticas que equilibram…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Enter Captcha Here :