EVENTOS

Mulher no Repente: festival nacional de poetas e repentistas em Arapiraca trará representantes da força feminina

O II Festival Nacional de Poetas e Repentistas em Arapiraca, que acontece nesta quinta-feira (16), terá uma dupla feminina em sua programação, um diferencial para o gênero que é tão representatividade para a cultura nordestina raiz. O evento é realizado pela Prefeitura de Arapiraca, por meio da Secretaria Municipal de Cultura, Lazer e Juventude, e reunirá poetas e repentistas de todo o nordeste na Praça Higino Vital, na Canafístula, a partir das 20h30.

A dupla que se apresentará é composta por Santinha Maurício e Maria da Soledade. Além delas, também se apresentarão no evento: Ivanildo Vila Nova e Gilberto Alves, Felipe Pereira e Hipólito Moura, Raimundo Caetano e Helânio Moreira, Rogério Meneses e João Lídio, Zé Viola e André Santos, Sebastião Dias e Luciano Leonel, Max Rocha e Pedro Lavandeira e Cícero Souza e Luiz do Nascimento.

A secretária municipal de Cultura, Lazer e Juventude, Marília Albuquerque, diz que o evento é fruto de um olhar especial dado pelo prefeito Luciano Barbosa, um grande apoiador desse movimento artístico que é tão simbólico para a cultura nordestina. “Nossa cidade se destaca em trazer esses artistas que mantém viva essa manifestação”, declarou.

Lugar de Santinha é no Repente

Santinha Maurício é o nome artístico de Josefa Maria da Silva, pernambucana natural de Cumaru, pequeno município do interior do estado. Santinha Maurício tem no repente uma mistura de dom, inspiração e trabalho que a acompanha desde criança, e que chegou até ela por meio das ondas do rádio, quando ouvia os cantadores através das estações da época, nos tempos de Lourival Batista e Otacílio Batista. “Descobri que amava a poesia assistindo aos cantadores. Fui aprendendo o que era a poesia e a gostar de repente e da cantoria”, conta.

Começou a cantar na cidade de Abreu e Lima poucos após os 18 anos, e teve na irmã e outras artistas da época – em que havia mais representação feminina que hoje, segundo ela -, uma grande inspiração. Aos 74 anos, Santinha viu durante suas décadas de vivência no repente, diversas mulheres entrarem e saírem da profissão, e diz que até hoje ainda é difícil estar em um meio majoritariamente ocupado por homens.

“Foi difícil esse início, e até hoje ainda é. Existem mais de mil homens cantadores, e mulheres não têm nem 50. Uns aceitam, outros não querem aceitar, e aí fica difícil, mas a mulher que tem coragem de seguir esse desafio, enfrentar. A gente enfrentou e ainda enfrenta. Outras deixaram de cantar porque o marido não deixava, e elas preferiram atender o marido do que a profissão. Quem quer, continua. Eu nunca tive barreiras com meu marido sobre isso, convivi com o marido e com a profissão […] Temos que mostrar aos homens que em nossa arte, tivemos a coragem de enfrentar eles”, afirma ela.

Ainda segundo ela, muitas mulheres tem o dom, mas não querem ser repentistas por medo. “É uma profissão muito espinhosa. Temos poucas repentistas, pouca evolução”, ressalta, e por isso diz admirar todas as mulheres da profissão e cita nomes como Mocinha de Passira, Lucinha Saraiva, Fabiana Ribeiro, Maria da Soledade, como grandes artistas do repente nordestino.

Artigos relacionados
EVENTOS

Experiências imersivas prometem encantar os visitantes no Salão do Turismo

Já pensou em fazer um voo de asa delta? Ou talvez mergulhar pelas águas cristalinas de Bonito (MS)? Ou ainda…
EVENTOS

Estilo de vida carioca será apresentado aos europeus na Olimpíada da França

A arquitetura do Rio de Janeiro (RJ), seus bairros e belezas naturais, praias, montanhas, o estilo de vida e a…
EVENTOS

Segunda edição do The Collection reúne empresas de luxo do setor de turismo e festas

Nos dias 23 e 24 de agosto, será realizada a segunda edição do “The Collection”, evento que reúne os mais…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Enter Captcha Here :