MEIO AMBIENTE

Virgin opera primeiro voo transatlântico com combustível sustentável

A Virgin Atlantic vai operar, nesta terça-feira, 28, o primeiro voo transatlântico do mundo movido inteiramente por combustível de aviação sustentável (SAF).  O voo, denominado Flight100, será operado com um Boeing 787 Dreamliner com motores Rolls-Royce Treen 1000. 

O voo de demonstração de Londres a Nova York tem como objetivo provar a capacidade do SAF como um substituto seguro para o combustível de aviação derivado de fósseis, compatível com os motores, fuselagens e infraestrutura de combustível atuais, disse a Virgin Atlantic. 

Atualmente, os padrões globais de combustível permitem apenas uma mistura de 50% de SAF em qualquer voo específico. O combustível usado no voo da Virgin Atlantic pode reduzir as emissões em até 70% em comparação com o combustível de aviação convencional à base de querosene, disse a companhia aérea. 

O CEO da Virgin Atlantic, Shai Weiss, chamou o SAF da Virgin de “a única solução viável para descarbonizar a aviação de longo curso”. “Foi necessária uma colaboração radical para chegarmos aqui e estamos orgulhosos de ter alcançado este marco importante, mas precisamos de ir mais longe”, disse ele.

O voo histórico segue outro desenvolvimento significativo na descarbonização da aviação. Na semana passada, a Organização da Aviação Civil Internacional concordou em atingir uma redução de 5% nas emissões de gases com efeito de estufa dos voos até 2030. A ICAO é o braço da aviação das Nações Unidas.

Juntamente com a definição da nova meta, a ICAO estabeleceu um quadro destinado a acelerar o desenvolvimento do SAF, que é considerado o método mais imediato para reduzir substancialmente as emissões das aeronaves. 

O quadro apela aos países para que aumentem o seu alcance sobre o SAF com o financiamento global e apoiem a produção do SAF nos países em desenvolvimento, trabalhando para o acesso ao financiamento de baixo custo. A resolução também aborda a possibilidade de fornecer apoio financeiro directo aos países em desenvolvimento.

O novo compromisso da ICAO seguiu a meta estabelecida pelos seus membros globais no ano passado de atingir zero emissões líquidas de carbono na aviação até 2050. 

Até agora, a produção de SAF é inferior a 0,1% do que a indústria aérea precisa para atingir zero emissões líquidas, estimou a IATA em junho. No entanto, a produção de SAF triplicou em 2022 e prevê-se um aumento contínuo da produção.

Artigos relacionados
MEIO AMBIENTE

ABEAR reforça importância da produção de SAF para descarbonização do setor aéreo

A presidente da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (ABEAR), Jurema Monteiro, reforçou, no evento Piauí Infra Day, a importância da…
MEIO AMBIENTE

Prefeito de Craíbas recebe MVV para alinhar novo estudo socioeconômico na região

No último dia 3, a Mineração Vale Verde (MVV) realizou uma visita institucional à Prefeitura de Craíbas, conversando com o…
LEVANTANDO ÂNCORASMEIO AMBIENTE

MSC publica seu relatório de sustentabilidade de 2023

A MSC Cruzeiros publicou, hoje, o seu Relatório de Sustentabilidade de 2023, com uma análise de desempenho do período de…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Enter Captcha Here :