DESTINOS

Festa de Santa Bárbara movimenta turismo ligado ao sincretismo baiano

O vermelho é a cor que vai simbolizar a fé de baianos católicos e adeptos do candomblé, nos próximos dias, por causa das homenagens à Santa Bárbara, a padroeira dos mercados e do Corpo de Bombeiros, que no sincretismo religioso é representada pela orixá Iansã, a deusa dos ventos e das tempestades. Em Salvador, de sexta-feira (1º) a domingo (3), acontece o tríduo, na Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, no Pelourinho, que antecede a festa dedicada à santa, na segunda-feira (4), com a participação da Secretaria de Turismo do Estado (Setur-BA). 

No dia 4, as comemorações começam no Largo do Pelourinho, às 6h, com alvorada de fogos, seguida de missa campal e procissão por ruas do Centro Histórico. A festa reúne uma multidão, incluindo turistas nacionais e estrangeiros, que aproveitam para degustar o tradicional caruru.

“A festa atrai milhares de pessoas. Não são apenas as que vêm ao tríduo ou à missa, mas também aquelas que se fazem presentes nas ruas, casarões e estabelecimentos do Centro Histórico. São católicos, candomblecistas e adeptos de outras religiões, que têm uma devoção especial à Santa Bárbara. Ouvimos relatos de turistas que saem daqui emocionados, muitos impressionados com o tamanho da festa e a presença de diversas religiões”, explica padre Lázaro Muniz, pároco da Igreja do Rosário dos Pretos.

No terreiro Bate Folha, em Mata Escura, a Sociedade Beneficente Santa Bárbara promove homenagens à Bamburucema e Iansã, entidades que representam a santidade católica em religiões de matriz africana. “Os turistas ficam deslumbrados, principalmente, aqueles que chegam antes da festa e têm a oportunidade de conhecer outras atrações do candomblé. Eles demonstram muito interesse em voltar e pedem informações sobre as tradições da Bahia”, relata o ogã do terreiro e presidente da Sociedade, João Antônio Ferreira.

A tradição baiana em louvor à santa começou no século 17 e foi reconhecida como Patrimônio Imaterial da Bahia, em 2008. Ela abre o calendário de festas populares religiosas do estado, movimentando a economia do turismo. “O sincretismo religioso é um atrativo diferenciado do turismo baiano, que contagia pessoas do mundo todo. O segmento reúne multidões, que impactam em atividades turísticas, gerando trabalho e receita. Por isso, o Governo do Estado criou o projeto Agô Bahia, para o incremento das manifestações religiosas afro-baianas”, ressalta o titular da Setur-BA, Maurício Bacelar.

Artigos relacionados
DESTINOS

Rio de Janeiro recebeu 760,2 mil turistas internacionais no primeiro semestre de 2024

No primeiro semestre de 2024, 760,2 mil turistas estrangeiros desembarcaram no Rio de Janeiro, o que representa um aumento de…
DESTINOS

Produção de chocolate e canoagem aquecem duas zonas turísticas da Bahia

Após quatro dias de atividades gastronômicas e culturais, o Chocolat Festival Bahia chegou ao fim, no último domingo (21), no…
DESTINOS

Macau recebe mais de 2,55 milhões de visitantes em junho

Em junho, Macau contabilizou mais de 2,55 milhões de visitantes, numa subida de 15,5% face a igual mês do ano…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Enter Captcha Here :