DESTINOS

Alemanha coloca Portugal na “lista vermelha”

O anúncio da Alemanha em colocar Portugal na lista vermelha de destinos e que que obriga a quarentena à chegada, de “golpe fatal nas expectativas de início de retoma para o turismo no seu todo” e reclamou novas medias de apoio, e especificamente a manutenção do layoff como existia até Maio. A notícia deixou a Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) em desespero, diante das restrições aos principais países emissores de turistas para Portugal.

Segundo a APAVT “a recente decisão do Governo alemão relativamente às viagens dos seus cidadãos para Portugal, depois da saída do país da ‘lista verde’ do Reino Unido, a par da incerteza causada pelo recuo no desconfinamento e o respectivo impacto nas férias dos portugueses” justifica “a necessidade urgente de novos apoios que evitem a falência de todo um setor”.

“Portugal está, na prática, actualmente impossibilitado de acolher turistas de vários mercados, incluindo os dois maiores em termos de dormidas, e o primeiro e terceiro maiores em termos de receita turística, o Reino Unido e a Alemanha, o que vem criar um vasto deserto no panorama da oferta nacional e afasta qualquer possibilidade de retoma para as agências de viagens especializadas no turismo receptivo”, afirma a APAVT em comunicado.

Para a APAVT “do ponto de vista dos operadores turísticos e agências que se dedicam ao turismo de lazer, o cenário é igualmente desolador, goradas que estão as expectativas de uma retoma do negócio nesta época alta de Verão” e que “o chamado turismo de negócios permanece igualmente sem movimento”.

“No curto prazo, os custos económicos e sociais das falências, incluindo o custo dos subsídios de desemprego, serão de valor muito superior ao investimento em medidas de apoio como as do layoff’ e a, médio prazo, o custo será incomensuravelmente maior, na medida em que a impossibilidade de retoma de um sector que representa um contributo superior a 10% do PIB nacional terá um impacto que extravasa para toda a economia nacional”, acrescenta.

O presidente da Associação, Pedro Costa Ferreira, que alerta para o risco adicional de “os apoios a fundo perdido se transformarem em saco roto, com a falência geral da oferta turística nacional, o que traria impossibilidade de recuperação económica para o país, bem como elevadíssimos custos em subsídios de desemprego”, finalizou.

Artigos relacionados
DESTINOS

Embratur anuncia retorno de ações promocionais do Brasil na China

Em reunião com o embaixador da China no Brasil, Zhu Qingqiao, nesta quarta-feira (17), o presidente da Embratur, Marcelo Freixo,…
DESTINOS

Centro de Referência para fortalecer o artesanato é inaugurado em Alagoas

Em um marco histórico para a cultura e economia de Alagoas, o governador Paulo Dantas inaugurou na terça-feira (16) o…
DESTINOS

Brasil tem roteiros ferroviários para curtir nas férias de julho

As férias de julho são uma oportunidade perfeita para explorar o Brasil de maneiras únicas e encantadoras. Que tal viajar…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Enter Captcha Here :